Antonio Izidoro - CRP: 14/02004-4
Isabela Rocha Izidoro - CRP: 14/07081-8
Lilian C. R. Izidoro - CRP: 14/01744-8

 

Firmino Vieira de Matos, 1297 - Dourados/MS
Tel: (67) 3421-8139 | 99696-8139

 

Trem da Vida

Crédito da foto: santypan (iStockPhoto) Crédito da foto: santypan (iStockPhoto)

A vida é como uma viagem de trem, com suas estações, mudanças de pista, alguns acidentes, surpresas agradáveis em alguns casos e tristezas profundas em outros.

Quando nascemos, pegamos o trem e conhecemos nossos pais, acreditamos que eles sempre viajarão ao nosso lado, mas eles sairão em alguma estação e continuaremos a viagem, é quando perceberemos que vivíamos em companhia de um amor insubstituível.

No entanto, muitas outras pessoas especiais e significativas estarão no caminho da nossa vida: nossos irmãos, amigos e em algum momento, até uma grande paixão. Alguns tomarão o trem para descer na próxima estação e passarão despercebidos, nem sequer notaremos que desocuparam seus assentos. Outros indesejáveis permanecerão independente de nossa vontade, enquanto alguns deixarão um vazio definitivo. Ah quantos outros subirão e se sentarão ao nosso lado em um processo de compensação eterna. Em determinadas estações seremos nós que teremos que descer em busca de pessoas que amamos e que estarão em outros trens ou vagões também aguardando que alguém, como você, sente ao seu lado. De fato, se realmente nos importamos, é melhor corrermos para fazer isso antes que outra pessoa chegue e assuma essa posição.

A jornada continua cheia de desafios, sonhos, fantasias, alegrias, tristezas, esperas e despedidas. No entanto, é importante manter um bom relacionamento com todos os passageiros, procurando em cada um o melhor que eles têm para oferecer. Com o tempo, aprenderemos a conviver com alguns e sobreviver sem os outros. Temos de aprender a lidar com as pessoas que não queremos ter ao nosso lado e também devemos avançar, apesar das perdas e da dor.

Ao longo da vida, encontraremos muitas pessoas que não compartilharão nossos valores e pontos de vista. Essas são pessoas que podem ser profundamente egoístas, manipuladoras ou mesmo totalmente tóxicas.

No entanto, ficar com raiva não irá ajudar. Pelo contrário, irá nos prejudicar. Precisamos aprender a viver com essas pessoas sem afetar nosso equilíbrio emocional. Nós não podemos mudar de lugar toda vez que uma pessoa fizer algo que nos incomode. Se o fizermos, vamos acabar correndo de um carro para outro no caminho de nossas vidas, oprimidos e com raiva. De fato, um dos maiores ensinamentos da vida é precisamente aprender a lidar com as pessoas que nos incomodam. Com o passar do tempo, não apenas nos tornaremos pessoas mais tolerantes, mas também aprenderemos a nos concentrar nos aspectos positivos daqueles que nos rodeiam. Não se trata de sofrer passivamente, mas de se tornar mais sábio e mais equilibrado. Entenderemos que as outras pessoas cometem erros e são imperfeitas, assim como nós, e aprenderemos a nos concentrar nos pontos em comum e não nas diferenças. Assim tudo ficará mais fácil.

Há pessoas que gostaríamos de ter sempre ao nosso lado, infelizmente isso quase nunca acontece. Todo mundo tem sua própria estação e devemos aprender a deixá-las ir. É difícil, mas se não curarmos essa ferida, ela permanecerá continuamente aberta. Caso o contrário, não permitiremos que outras pessoas fantásticas se aproximem, pois cada vez que o fizerem, a ferida supurante arderá e nós recuaremos. Essas novas pessoas não irão tomar o lugar daqueles que nos deixaram. Temos muito espaço em nossos corações para armazenar memórias e criar novos laços. Nós apenas temos que aprender a deixar ir e praticar o desapego um pouco mais. Se ficarmos presos nessa dor, o trem da vida continuará enquanto perdemos as belas paisagens e a companhia dos viajantes.

De fato, o grande mistério é que não sabemos em que época iremos viajar, e trancados nessa dor, podemos perder tudo o que temos a oferecer às pessoas que continuam ao nosso lado. Quando não conseguimos deixar ir aqueles que nos abandonaram, seja por nossa própria decisão ou por razões de vida, nossa viagem perde seu significado e não vale a pena.

Portanto, vamos fazer essa viagem contar. Não devemos apenas nos esforçar para criar boas lembranças para aqueles que estão ao nosso lado, mas também para nos fornecer boas lembranças. Tenha sempre em mente que há outra estação, e você não sabe quando será a última. Portanto, aproveite cada momento da viagem.

Texto adaptado da publicação Pensar Contemporâneo (A vida é aprender a conviver com uns e sobreviver sem outros).

 

Envie seu Comentário